Novidades rss

Espanto e Medo

12.03.2010comentários comente
Postado em: Exposição Virtual

Fachada do Museu de Arte Contemporânea após o terremoto.  (crédito: Sérgio Alves)

Espanto e medo, as duas primeiras sensações. Ainda dormindo, sinto a cama balançar, deslizar e trepidar enquanto algo me sacudia como num pesadelo. Ao abrir os olhos, no escuro, sem entender o que estava acontecendo, de repente me ocorre que, se tudo esta tremendo assim, deve ser um terremoto.

Entrava uma fresta de luz por baixo da porta, fui ate lá e abri. A essa altura, tudo já sacudia muito forte. Barulho de vidros quebrados e coisas caindo, estalos dentro das paredes. Do outro lado do corredor, Jorge Eslava, escritor peruano e companheiro do mesmo congresso, segura-se no umbral de sua porta, me chama pelo nome e me diz:

- Este é dos fortes...

Pergunto-lhe:

- Que faço?

- Isso mesmo que estás fazendo. Fica aí. Assim que parar, descemos. Teu sapato está por perto? Se estiver, pega antes de descer para não se cortar se tiver vidro quebrado no chão.

Quando o tremor diminui, sigo as instruções e ainda pego um casaquinho que estava a mão. Pelas escadas vamos encontrando outros hospedes descendo. Reboco caído pelo chão, teto de gesso despencado, papel de parede solto, quadros e abajures derrubados. No saguão do hotel, funcionários nos instruem a sair e esperar lá fora. Longe do prédio para não sermos atingidos por algo que despenque. Procuro os amigos no meio da pequena multidão. Vejo Marisa enrolada no lençol. Ambas assustadas, nos abraçamos. Os outros vão chegando, igualmente com medo e querendo abraços. Beth, Lygia, Dolores, Yolanda, Sylvia, Daniel, Antonio, Sergio, Tânia, Susana, Ângela. Conferimo-nos mutuamente. Muita confusão. A rua toda escura, só o gerador do hotel com suas luzes de emergência. Carros saem com faróis acesos dos estacionamentos subterrâneos, todos se afastam para deixar que escapem para longe. Pelo asfalto, veículos passam muito rápido. Parece que todos os cachorros do mundo latem ao mesmo tempo. Sirenes de bombeiros, ambulâncias. Barulho de batidas de automóveis. Mais outra em seguida. E mais outra. Claro: todos fogem e os sinais não funcionam.

Ficamos ali em pé, em roupa de dormir. Um ou outro chegou a se vestir completamente antes de descer. Os funcionários do hotel servem água. A equipe de acolhimento do congresso nos acalma, conversa, dá instruções. Entre elas, daí a umas duas horas, nos dizem para entrar. Insistem. Aos que estão com medo, explicam: estão começando os assaltos. Vemos os bandos rondando. Entramos no saguão onde vamos ficar o dia inteiro, prontos para sair cada vez que começar novo tremor. São muitos, mas felizmente todos mais fracos.

Aos poucos, cada um enfrenta o medo, volta ao quarto, pega algumas coisas , muda a roupa, faz seu kit de sobrevivência que passa a carregar pra todo lado desde então – documentos,carteira, uma muda de roupa básica, telefones celulares, óculos.

Só o que se quer então e falar com a família, dar notícias. A comunicação e muito precária. Acesso intermitente a televisão. Telefones, internet e celulares não funcionam. Quem tem blackberry compartilha com todos, quem consegue falar com o Brasil pede para dar recado aos parentes dos outros. Durante todo esse primeiro dia e assim. Estreita-se uma rede de solidariedade e sentido de equipe.

Eu deveria ir para o aeroporto duas horas depois, voltando para casa. Mas logo se constata que vai ser impossível que esteja aberto. Até agora não se sabe ao certo quando abrirá. Tudo é incerto e precário. Mas lembro de meu pai, quando eu era criança: eu devia era rezar para o meu anjo da guarda e agradecer. Estou bem, entre amigos, não aconteceu nada a nenhum de nós. Triste consolo, em meio a um país desolado, atingido pela dor.


Ana Maria Machado
(publicado originalmente na Folha de São Paulo - 1/3/2010)

Tags: chileterremoto.


imagens


Fachada do Museu de Arte Contemporânea após o terremoto. 
(Sérgio Alves)

Indique este post |  Permalink |  Versão para impressão

Compartilhe: delicious   digg   technorati   google   stumbleUpon


comentários

Não há comentários até o momento.

Envie seu comentário


Para comentar é preciso estar logado no site. Faça seu login ou registre-se.